quinta-feira, 20 de abril de 2017

3 deslumbrantes igrejas de Sabará

 
Os mineiros dão pouca atenção a Sabará e, numa corrente negativa, isso também acontece com os turistas. Assim como Santa Luzia, outra cidade histórica, ela é pouco visitada talvez por ficar tão perto de Belo Horizonte e sofrer com a descaracterização das periferias da capital mineira.(na foto acima, interior da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição)
Os anos de desgoverno da cidade também colaboraram com seu atual estado. O casario se desmancha, as ruelas centrais são invadidas por um volume incontrolável de automóveis e falta um sensato planejamento urbano.
No entanto, mesmo com todas essas agruras, a cidade ainda respira sua importância histórica. Sabará foi o Eldorado brasileiro. Uma das mais ricas aglomerações urbanas da América Latina, desde que os bandeirantes descobriram o ouro no final do século 17.
A rua Pedro II, a única que se manteve razoavelmente intacta, exibe as marcas desse período áureo. Ali está o interessantíssimo teatrinho, antiga Casa de Ópera, obra prima das artes cênicas do século 19, atualmente em restauração, dentre outros prédios exuberantes.
Sempre admirei Sabará por sua culinária (as deliciosas jabuticabas e o maravilhoso ora-pro-nobis) e por suas igrejas barrocas. Nesta postagem, enfatizo três templos católicos que exprimem todo o poder que a cidade exerceu durante o período em que esteve em voga: 

Matriz de Nossa Senhora da Conceição, 
Igreja do Carmo e a 
Igreja do Ó. Três pérolas que valem a pena visitar.

A Matriz de Nossa Senhora da Conceição é a que mais chama a atenção à primeira vista. 
A impressão é de que não há um metro quadrado que não seja coberto de ouro, retábulos retorcidos e pinturas. 
De acordo com o viajante Saint-Hilaire, que esteve no local no século 19, “os dourados foram aí empregados em espantosa profusão”. 
Os púlpitos de madeira são considerados os mais belos de Minas Gerais. Sabe-se que a paróquia foi instituída em 1701, mas as obras de construção devem ter acontecido entre 1710 e 1714, quando se deu a inauguração.
Tombada pelo IPHAN (Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico), a matriz passou por várias restaurações. 
Atualmente, um profissional executa obras em uma porta lateral, que estava impregnada pelos cupins. A impressão geral é ótima. 
O atual pároco da matriz, Padre Nivaldo, é um profundo conhecedor da história de Sabará, sua terra natal. E isso tem ajudado a valorizar não só a sua arquitetura, como também as tradições e costumes da cidade.

A Igreja de Nossa Senhora do Monte do Carmo, de 1763, não tem o mesmo douramento da matriz. 
 Ela pertence ao último período do Barroco Mineiro, quando o excesso decorativo foi substituído por linhas mais objetivas e maior quantidade de paredes brancas. O estilo conhecido como Rococó.
O que chama a atenção no templo são as obras do Aleijadinho, o maior artista brasileiro do século 18. 
Seu entalhe está presente no frontispício da igreja, no coro e nas balaustradas. 
As duas figuras que suportam o coro são as mais impressionantes. 
Retratam dois homens musculosos, com traços que remetem aos profetas de Congonhas (MG).
No piso da igreja, podem ser vistos os locais onde antigamente eram sepultados os nobres e ricos da cidade. O hábito caiu em desuso, devido ao mal cheiro e as questões higiênicas. Por isso, em frente à igreja, há um cemitério onde a partir de então foram depositados os restos mortais dos falecidos.
Quando estive na cidade, os altares da igreja estavam cobertos com o pano roxo do período da Quaresma.

Na direção da fábrica da Arcelor (antiga Belgo Mineira) chega-se à Igreja de Nossa Senhora do Ó. 
O curioso nome deve-se às ladainhas cantadas nas principais festividades, sempre precedidas por um Oh! A sua repetição constante definiu o nome da capela. 
A imagem que está no altar é de uma Maria grávida, à espera do Menino Jesus.
A igrejinha do Ó é encantadora. Parece um caixa de joias, esplendidamente decorada. 
Sua construção se deu no início do século 18 e ela traz os traços da primeira fase do Barroco Mineiro.
 Além da profusão dos dourados, o ambiente enegrecido pela parca iluminação dão a ela um ar soturno. 
O que mais chama a atenção são as pinturas que reproduzem imagens chinesas, conhecidas como chinesices (que também podem ser observadas na Matriz de Nossa Senhora da Conceição). 
Ali, no entanto, elas são mais nítidas. Isso se deve, segundo os especialistas, às influências de Macau, colonizada pelos portugueses, na arte mineira.

Em todas as três igrejas cobra-se uma taxa de visitação, valores bem simbólicos que garantem a manutenção básica e limpeza. Os horários são fixos, com funcionamento inclusive às segundas-feiras. Não é permitido fotografar as igrejas. Para este blog, tive que pedir permissão à Arquidiocese de Belo Horizonte, por meio de sua assessoria de imprensa.
Espero que, com esta pequena contribuição, você se interesse em visitar a cidade e ainda aproveitar para adquirir alguns de seus belos produtos artesanais, com as palmas douradas, que são sua maior tradição. Há várias lojinhas na área central.
Serviço:
Matriz de Nossa Senhora da Conceição e Igrejinha do Ó: telefone (31) 3671-1724.
Igreja Nossa Senhora do Carmo: telefone (31) 3671-2417
Assessoria de Comunicação e Marketing da Arquidiocese de Belo Horizonte: telefone (31) 3269-3161; site:www.arquidiocesebh.org.br
Texto e fotos de Thelmo Lins
http://descobertasdothelmo.blogspot.com.br/2017/04/tres-deslumbrantes-igrejas-de-sabara.html

Um comentário:
Faça também comentários
  1. Parabéns pelo seu trabalho levando as maravilhas de Minas Gerais à vista do mundo!

    ResponderExcluir