O melhor queijo do Brasil e um dos melhores do mundo. Conheça o Queijo Canastra: história, origem e como é feito.

Reprodução de TV

O Queijo Canastra é um tipo de queijo brasileiro, de origem e produção de Minas Gerais, na região da Serra da Canastra. Produzido há mais de duzentos anos, ele é primo distante do queijo de São Jorge, Açores, Portugal, trazido pelos imigrantes da época do Ciclo do Ouro. O clima, a altitude, os pastos nativos e as águas da Serra da Canastra dão a esse queijo um sabor único: forte, meio picante, denso e encorpado. Desde maio de 2008 o queijo canastra é patrimônio cultural imaterial brasileiro, título concedido pelo IPHAN, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
Queijo Canastra. Fotografia de Zezeth Nicoliello - Hoje em Dia

Como consumir
O queijo Canastra deve ser consumido curado ou meio curado, com pelo menos uma semana de maturação.Com o passar dos dias, ele adquire uma bela cor dourada e vai enrijecendo de fora para dentro. É boa companhia para uma cerveja gelada, cachaça ou vinho tinto. Também é consumido fresco, com até 4 dias,quando se mostra branco e parecido – e até confundido – com o tradicional queijo Minas industrializado.

Como conservar
O consumidor que levar o queijo para casa deve mantê-lo sempre em local fresco e ventilado. Para que a maturação seja perfeita, o queijo deve descansar sobre um prato ou uma tábua de madeira e ser virado uma vez por dia. O Canastra estraga se ficar fechado mais de um dia em sacos plásticos. Na geladeira, fica ressecado.

Antigamente, devido à precariedade dos transportes, o queijo ficava até 40 dias nas prateleiras dos produtores para depois sair em carros de bois ou no lombo de burros e cavalos para a distribuição. Hoje, o consumo é mais rápido e por isso pouca gente chega a apreciá-lo no ponto certo de maturação.

Queijo Canastra Real. Ao fundo a cidade de São Roque de Minas, berço do São Francisco e do Queijo Canastra (autoria da imagem ainda não identificada)

Onde encontrar
O queijo Canastra pode ser encontrado em diversos produtores situados nas redondezas e proximidades do Parque Nacional da Serra da Canastra. A região reconhecida pelo INPI e IPHAN como produtora da iguaria engloba sete municípios: Bambuí, Delfinópolis, Medeiros, Piumhi, São Roque de Minas, Vargem Bonita e Tapiraí.

Produção e distribuição

O queijo canastra é um produto de origem controlada. Podendo ser produzido apenas na região da Serra da Canastra. Até meados de 2013 o queijo Canastra era consumido unicamente no estado de Minas Gerais, sendo proibida a sua distribuição para outras unidades da federação. Somente a partir da segunda metade de 2013 é que obteve autorização para ser distribuído para todo Brasil.
O Queijo Canastra está presente em vários Mercados do Brasil. Fotografia de Sérgio Mourão 

Segundo dados do Ministério da Agricultura, metade de todo o queijo consumido no Brasil saem de Minas Gerais. Os quatro tipos principais são, por volume de produção: o Frescal, o Minas, o do Serro e o da Canastra. Em 2012 o Queijo Canastra recebeu do Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI o selo de indicação geográfica, para que o consumidor tenha a certeza de estar apreciando uma iguaria realmente produzida na Serra da Canastra, acompanha-se com o selo de procedência canastra, para certifica-se de certo modo de que, você certamente está consumindo o queijo canastra. (Fonte: Wikipedia)

Como produzir Queijo Canastra: coagulação, corte, retirada do soro, enformagem, salga e cura
Fotografia de Juliano Guerra 

Uma característica que diferencia o processo de produção do Queijo Canastra dos demais é a utilização de um tecido, no momento de prensagem da massa, fazendo com que sua massa fique mais seca, muito apreciada para a produção de pão de queijo
Etapas de produção do Queijo Canastra

Leite 
Após a ordenha, o leite é imediatamente encaminhado para a queijaria, que deve ser próxima ao curral. Ao ser colocado no tanque de fabricação, ele é filtrado em dessoradores de náilon. Este écolocado na saída do cano que dá acesso do exterior da queijaria para o tanque. O leite deve chegar à queijaria em, no máximo, 40 min, para que mantenha a temperatura e diminuam os riscos de contaminação.

Coagulação 
Quando se utiliza o coalho líquido, ele pode ser colocado, diretamente no tanque de fabricação, ouem conjunto com o pingo. Já o coalho em pó deve ser diluído em água potável ou leite antes de ser adicionado. 

Adição da cultura 
Pela tradição de produção do Queijo Canastra, é utilizado o pingo extraído da produção do queijo do dia anterior. Devem ser adicionados 0,5% de pingo em leite, ou seja, cerca de meio litro de pingo para cada 100 L de leite. Como para o Queijo do Serro, para a fabricação da primeira massa de queijo, ou quando o produtor perde o pingo, o queijo pode ser fabricado acrescentando cerca de 150 g de raspa de um queijo que apresente ótima qualidade. 

Repouso 
O leite com o coalho e o pingo, que é o fermento utilizado nesse queijo, deve permanecer em repouso, por cerca de 2 horas, para que ocorra a reação de seus microrganismos que irão coalhar a mistura.

Corte da massa 
Uma técnica bastante utilizada pelos produtores do Canastra, para verificar se a massa está noponto de corte, é quebrando-a com a mão. Ela deve estar firme e o soro brotar límpido e rapidamente. Quando a massa está no ponto ela é batida com auxílio de uma pá. Esta operação deve ser feita, lentamente, para evitar a formação de grãos muito pequenos, o que diminui orendimento do queijo. 

Repouso 
Com o objetivo de aumentar a resistência dos grãos, deve-se mantê-los, em repouso, por um período de cerca de 15 min. Isso é fundamental para que os grãos formem uma película mais firme e resistente, evitando que a massa se quebre em demasia. 

Retirada do soro 
Retire o excesso do soro com o auxílio de um balde de aço inoxidável ou de plástico. É comum, nessa operação, a retirada de muitos grãos junto ao soro. Por isso, para aumentar o rendimento, é indicado verter o soro, sobre um dessorador, retirando os grãos retidos na tela.

Enformagem 
Primeiramente, coloque cerca de 2 litros de coalhada, em um dessorador de náilon, em cima de um escorredor. Confine-a, torcendo a parte superior do dessorador. À medida que o soro é eliminado, torça um pouco mais a parte superior, pressionando o conteúdo. Depois de retirado o excesso de soro, a coalhada, ainda confinada no dessorador, é colocada na forma e constantemente pressionada, até eliminar todo o soro.

Lavagem 
De forma geral, duas a três lavagens, de cada lado da forma, são suficientes para a retirada do excesso de soro. Após a lavagem, os queijos devem ser deixados para escorrer por alguns instantes. 

Salga 
O sal grosso é mantido na superfície do queijo por um período de, aproximadamente, 6 horas,quando o excesso de sal deve ser retirado. Em seguida, o queijo deve ser virado e, nova camada de sal espalhada sobre a outra superfície. Desse outro lado, o sal é mantido por mais 12 h. Como sobraram resíduos de sal do outro lado, a salga agora ocorre dos dois lados. 

Retirada do sal 

Passadas as 12 horas de salga, o restante do sal pode ser retirado e os queijos, mantidos na forma por mais 6 h, quando eles são desenformados e lavados em água até completa retirada do saladerido em sua superfície. 

Cura 
Depois de lavados, os queijos são encaminhados para cura, que deve ser realizada em bancadas de madeira ou em fibra de vidro. Estes devem ser arrumados de forma a permanecer um espaço de cerca de 4,0 cm entre eles. 

Acabamento 
Assim que termina o processo de cura, um ralador deve ser passado em todos os lados do queijo. A parte ralada produz uma massa fina, utilizada para o acabamento. Para isso, deve ser misturada uma parte desta massa com um pouco de água tratada, para formar uma massinha consistente, que tampará os buracos formados durante o processo. Por fim, o Canastra deve retornar à bancada de cura.

Tipos de Queijo Canastra

Por Andréa Oliveira. (http://www.cpt.com.br/cursos-laticinios/artigos/como-produzir-queijo-canastra-coagulacao-corte-retirada-do-soro-enformagem-salga-e-cura
Ilustrações nossa.

2 comentários: