Serro - Capivari, Milho Verde e São Gonçalo


Vista parcial do Serro. Fotografia de Rodrigo Rocha Potiguar

Serro
História da cidade:
Sede de uma das quatro primeiras comarcas da Capitania das Minas Gerais, a antiga Vila do Príncipe do Serro Frio, hoje, cidade do Serro, ainda guarda as características das vilas setecentistas mineiras, o que lhe valeu ser o primeiro município brasileiro a ter seu conjunto arquitetônico e urbanístico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em abril de 1938.


São Gonçalo do Rio das Pedras. Fotografia de Alison McGowan 

Em 1702, uma bandeira chefiada por Antônio Soares Ferreira descobriu as minas de ouro de Ivituruí, que em língua indígena significa Serro Frio, um “nevoeiro denso que invade a parte alta da serra, acarretando grande baixa de temperatura e sendo acompanhado de vento mais ou menos forte e constante”. Assim, é descrito o típico clima da região.

Milho Verde. Fotografia de Franco Bouchard

Em pouco tempo, um grande número de aventureiros chegou ao local atraído pelo ouro que brotava fácil nas cabeceiras do Jequitinhonha e seus afluentes. Em 1711, o sargento-mor, Lourenço Carlos Mascarenhas, foi nomeado superintendente das minas de ouro da região para manter a ordem e a justiça. A prosperidade do arraial motivou, então, sua elevação à vila no ano de 1714, quando, então, ganhou o nome de Vila do Príncipe. Com a criação da Comarca do Serro Frio, a vila passou a ser sede da comarca. Em 6 de março de 1838, a vila foi elevada à cidade com a denominação de Serro.

Milho Verde. Fotografia de Pitruas

Suas igrejas impressionam pela qualidade da ornamentação e pela pintura em perspectiva nos forros. Ao lado do seu acervo histórico-arquitetônico, representado pelos belos monumentos religiosos e notável conjunto de sobrados, o Serro guarda também outro importante aspecto de sua riqueza cultural do passado: as tradições folclóricas, as festas religiosas e a peculiar gastronomia. O Queijo do Serro, o mais famoso produto da região, foi o primeiro bem registrado como Patrimônio Imaterial de Minas Gerais (2002) e é também Patrimônio Imaterial do Brasil (2008).

Capivari. Fotografia de Rogério Alves

Município rodeado por serras, morros, rios e cachoeiras, o Serro se apresenta como excelente destino para os apreciadores do turismo histórico e ecológico. 
Situada no centro-nordeste de Minas Gerais, na região central da Serra do Espinhaço, Serro fica a 230 quilômetros de Belo Horizonte. É também uma importante Cidade do Caminho dos Diamantes e da Estrada Real, uma herança das minas que atraíram os Bandeirantes paulistas e nordestinos no século XVIII.

São Gonçalo do Rio das Pedras. Fotografia de Carlos Ferreira Damião

Como chegar:
Acessos MG-010, BR259, BR381, BR120
(Alvorada de Minas – Conceição do Mato Dentro / Sabinópolis - Guanhães / Santo Antônio do Itambé – Serra Azul de Minas / Presidente Kubitscheck/ Datas / Gouveia / Diamantina)

A partir de Belo Horizonte, pode-se chegar ao Serro por três caminhos diferentes:

1- Via Curvelo:
Através de rodovia totalmente asfaltada, o Serro encontra-se a 326 Km de BH, com saída em direção a Sete Lagoas (BR-040), seguindo até o trevo Curvelo/Brasília, onde se pega a BR-135 até Curvelo e daí, pela BR-259 até o Serro. Pelo caminho, as grutas “Rei do Mato” e “Maquiné”, lindas paisagens do cerrado (o sertão de Guimarães Rosa) e a vista do imponente Pico do Itambé, cercado de serras a perder de vista.

2- Via Serra do Cipó:
O Serro fica a 230 Km de BH, através da rodovia MG-10. São 170 Km de asfalto até Conceição do Mato Dentro, através da Serra do Cipó, sendo o restante de terra ( 60 Km), já em processo de pavimentação. O trajeto é feito em boa parte sobre a antiga rota da Estrada Real do Serro Frio a Ouro Preto, aberta pelos bandeirantes descobridores das minas de ouro e diamantes da chamada região do Ivituruí. Às margens da rodovia, uma infinidade de atrações, entre as quais o Parque Nacional da Serra do Cipó, as descobertas arqueológicas de Lagoa Santa e as muitas atrações de Conceição do Mato Dentro. É uma boa opção para aqueles que curtem aventuras, montanhas, cachoeiras e grutas (“Lapinha” e outras).

3- Via Itabira/Guanhães:
O terceiro caminho, com distância de 307 Km, já totalmente asfaltado, sai de Belo Horizonte pela BR-262, em direção ao Vale do Aço. Depois entra para Itabira, pela BR-120, e segue por Guanhães, onde se toma a BR-259, em direção a Sabinópolis e Serro.

Horários de Ônibus:

- BH-Serro:
- Via Curvelo - Diários, às 7 h; - Às sextas-feiras, às 7 e às 22:15 h; tempo de viagem: 6 h; Viação Serro.
- Via Serra do Cipó - Diários, às 6 e às 15 h; tempo de viagem: 6 h; Viação Serro.

- Serro-BH:
- Via Curvelo - Diários, às 15 h; - Aos domingos, às 13,20 e às 17 h; tempo de viagem: 6 h; Viação Serro.
- Via Serra do Cipó - Diários, às 6:15 h e 9,30 h; - De 2.ª a 6.ª, às 16 h; - Diários, vindo de Rio Vermelho, por volta de 8 h; tempo de viagem: 6 h; Viação Serro.

- Diamantina-Serro:
- Diários, às 15:45 h (exceto sábado); tempo de viagem: 2:30 h; Empresa São Geraldo.

- Serro-Diamantina:
- De 2.ª a 6.ª, às 8:30 h e às 15,30 h (via Datas); - Aos sábados, às 7 h; tempo de viagem: 2:30 h; Empresa São Geraldo.

- Guanhães-Serro:
- Diários, às 8 h; tempo de viagem: 2 h; Saritur.

- Serro-Guanhães: - Diários, às 10 h e às 15 h; tempo de viagem: 2 h; Saritur.

- Serro-Alvorada de Minas: - De 2.ª a 6.ª, às 17,30 h.


MAIS INFORMAÇÕES SOBRE ÔNIBUS
- Rodoviária BH - ( 31 ) 3271-3000.
- Rodoviária Serro - ( 38 ) 3541-1366.
- Viação Serro - ( 31 ) 3201-9662 (rodoviária BH); ( 31 ) 3422-6690 (empresa BH).
- Saritur - ( 33 ) 3421-1196 (rodoviária de Guanhães); (31) 3479-4300 (empresa BH); ( 31 ) 3272-8525 (rodoviária de BH).
- Empresa São Geraldo - tel: ( 38 ) 3531-3840 (Diamantina).


São Gonçalo do Rio das Pedras. Foto de ACHMG

Fonte da matéria:http://www.mochileiros.com/serro-capivari-milho-verde-e-sao-goncalo-guia-completo-t107481.html

2 comentários: