sexta-feira, 1 de abril de 2016

A terra que conta a história de Minas

A cidade é um cenário perfeito para ser contemplado: uma mistura de estilos arquitetônicos, do barroco ao moderno, está nas tradicionais ruas antigas, nas centenárias igrejas e casas coloniais. Ao mesmo tempo, é famosa por estar sempre em movimento, as festas populares não deixam paradas as vias, os belos hotéis e as pousadas.(foto acima de Kiko Neto)
Assim é São João del-Rei. (foto acima de César Reis) De um simples arraial do século 18, o município evoluiu para um polo comercial relevante em Minas Gerais e, hoje, está focado no turismo. Uma das maiores atrações é o carnaval, quando os blocos caricatos desfilam pelas ruas, durante os quatro dias de festa, atraindo milhares de turistas foliões.
Já durante a Quaresma e a Semana Santa, a cidade se volta para os festejos religiosos. (foto acima de Kiko Neto) Os habitantes e turistas participam das procissões, que relembram as cenas da Paixão de Cristo. Nesse período, todas as igrejas históricas ficam abertas à visitação. O público é convidado a participar de diversas atividades, como a confecção dos tapetes de areia e flores que enfeitam as ruas da cidade. Para incrementar a comemoração, apresentações teatrais, de canto, de dança e musicais são realizadas no Largo São Francisco.
Na terra do Ex-Presidente Tancredo Neves, o turista também pode ter a sensação de voltar aos tempos do Brasil Colônia através do belo passeio de Maria Fumaça. A locomotiva, construída em 1881, liga as cidades de São João del-Rei e Tiradentes. (foto acima de Kiko Neto)
A história de São João del-Rei (foto acima de Kiko Neto) começou em 1704, quando o Brasil ainda era colônia de Portugal. Na época, o local recebeu o nome de Arraial Novo Rio das Mortes e seu solo foi intensamente explorado devido à grande quantidade de ouro encontrada. Em 1713, para presentear Dom João V, Rei de Portugal, o Arraial foi nomeado Vila de São João del-Rei.
Característica marcante da cidade, as igrejas começaram a ser construídas no estilo barroco mineiro, a partir do século 18. Algumas delas chamam a atenção pelos seus altares dourados, com detalhes da arquitetura da época e ornamentados com ouro. As mais importantes são: Catedral-Basílica do Pilar(1721), Rosário (1720), Carmo (1733), Mercês e Bonfim (1769), São Francisco de Assis (1774),Senhor dos Montes, Santo Antônio e Nossa Senhora da Piedade do Bom Despacho (antiga capela da Cadeia). (foto acima de Luciano T. Carmo, ao fundo a Igreja do Carmo)
Quem passeia pelas ruas bucólicas de São João del-Rei pode respirar um pouco da cultura e história da cidade que foi berço de um dos episódios mais importantes do Brasil, a Inconfidência Mineira. O movimento teve início na região em 1789, quando moradores de São João del-Rei, Tiradentes e Vila Rica (atual Ouro Preto) uniram suas forças contra a Coroa Portuguesa. O objetivo era lutar a favor da liberdade e contra as altas taxas de impostos cobrados por Portugal. Para os Inconfidentes, a Vila de São João del-Rei seria escolhida como capital mineira ao final do movimento. (foto acima e abaixo de autoras de Kiko Neto)
 Além disso, o município participou de importantes decisões estaduais e nacionais, como a Revolta Militar de Ouro Preto, em 1833, a Revolução Liberal, em 1842, e as revoluções de 1930 e 1964.
Economia

Passada a fase revolucionária, o crescimento econômico de São João del-Rei se deu a partir do século 19, quando o comércio passou a ser a principal fonte de renda da cidade. Em 1838, a Vila foi transformada em cidade e possuía cerca de 1.600 casas, distribuídas por 24 ruas e dez praças. Foram construídos uma casa bancária, um hospital, uma biblioteca, um teatro, um cemitério público, e a cidade passou a contar com serviços dos Correios e iluminação pública a base de querosene – uma evolução para a época. (foto acima de Kiko Neto)
Dois acontecimentos reforçaram o crescimento da economia local: em 1881, a Estrada de Ferro Oeste de Minas foi construída, ligando municípios da região (Barroso, Tiradentes e Divinópolis) a outros importantes pontos da Estrada de Ferro Central do Brasil. E, em 1893, a Companhia Industrial São Joanense de Fiação e Tecelagem foi inaugurada. Esse desenvolvimento comercial fez com que a cidade de São João del-Rei fosse indicada novamente para sediar a capital de Minas Gerais. (foto acima de Kiko Neto)
Em junho de 1893, foi aprovado um projeto para a escolha da capital de Minas através do Congresso Mineiro Constituinte. As regiões até então cotadas eram: Várzea do Marçal, São João del-Rei, Barbacena e Belo Horizonte, conhecida na época como Curral del-Rei. Com a eleição desta última, a importância de São João del-Rei diminuiu consideravelmente. 
Tentando se sobressair novamente, a cidade apostou na cultura e no turismo, divulgando as igrejas e os museus. Em 1943, o acervo arquitetônico e artístico, composto por importantes construções civis e religiosas, foi tombado pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), fato que valorizou ainda mais o circuito histórico da cidade. (foto ao lado de Kiko Neto)

Atualmente, o município vive do turismo e do comércio. São João del-Rei é passeio garantido para quem quer conhecer e reviver um pouco da história de Minas Gerais. Localizada a 200 quilômetros da capital mineira, a cidade guarda a magia dos tempos em que o Brasil lutava pela independência. (Fonte da matéria: Secretaria de Turismo de Belo Horizonte)

3 comentários:
Faça também comentários
  1. E ainda podem assistir ao Espetáculo Lendas São Joanenses, uma mistura de condução turística noturna com encenação teatral das lendas da cidade.

    ResponderExcluir
  2. E ainda podem assistir ao Espetáculo Lendas São Joanenses, uma mistura de condução turística noturna com encenação teatral das lendas da cidade.

    ResponderExcluir