São Bartolomeu: fama feita de goiabada

Fazendo goiabada. Fotografia de Joelma Camilo

São Bartolomeu é a nossa sobremesa. Também pudera: o mais antigo distrito de Ouro Preto, 15 quilômetros da sede, tem como maior atração os doces caseiros. Em cada casa há uma doceira de mão cheia na cozinha. E o forte é a goiabada cascão. Por isso, se estiver de regime, saiba que passar por ali será uma prova de fogo. A tentação está nas esquinas, nos casarões, nas ladeiras e nas ruas do lindo lugar. Não é de se entranhar que no cartório de São Bartolomeu elas estejam nas prateleiras. “Nossos quitutes são o nosso patrimônio”, garante o juiz de paz Vicente Quirino Fortes. Ele mesmo é doceiro, dos mais famosos da região. Além da goiabada, faz a pessegada cascão e o doce de limão-rosa, em calda. O primeiro é feito com pêssegos verdes, o que o deixa com uma cor peculiar. “Depois de pronto, ele é colocado em caixas e ganha a forma de barra”, conta. O segundo é com limão-capeta. “Faço também laranjada cascão”, revela. De acordo com Vicente, a fama de São Bartolomeu ser o distrito mais doce da região começou com a marmelada. “Depois, veio a goiabada e, agora, as pessegadas”, comemora. Nas prateleiras do cartório, os doces são vendidos a quilo e em compoteiras. Impossível não dar uma beliscada. O jeito é deixar a balança de lado, se entregar a essas tentações e se lambuzar. Melhor solução, não há.

São Bartolomeu. Fotografia de Leonardo Márcio

Como fazer Pessegada cascão

Lavar bem os pêssegos. Em uma panela, cozinhá-los (com água até cobrir) ainda com casca. Para verificar se estão bem cozidos, espetar um garfo em um deles. Se a fruta se soltar imediatamente, está no ponto. Passar os pêssegos em água corrente. Com as mãos, retirar a casca e o caroço. Levar a polpa ao fogo, com o açúcar e um copo de água. Com uma colher de pau, mexer bem o doce, até que ele fique consistente e com uma coloração verde-escuro (o que está em barra na foto). Retirar do fogo e esperar esfriar. Colocar a massa em uma caixa de madeira forrada com papel celofane. Só servir depois de três dias.

Como fazer Limão rosa em calda

Descascar o limão e cortá-lo em quatro partes. Retirar o miolo, as sementes. Deixar a polpa de molho (água até cobrir) de um dia para o outro e trocar a água três vezes. Desprezar o caldo. Em uma panela (água até cobrir) ferver a fruta por cinco minutos. Trocar a água e ferver de novo. Escorrer. Pôr um copo e meio de água, o açúcar e a polpa. Levar ao fogo, até a calda ficar rala e clara. Na foto acima ele aparece em vasilha de plástico, mas deve ser guardado em pote esterilizado.
Receitas fornecidas por Vicente Quirino Fortes,de São Bartolomeu

Nenhum comentário:

Postar um comentário