O Sotaque das Mineiras

O sotaque das mineiras deveria ser ilegal, imoral ou engordar. Porque, se tudo que é bom tem um desses horríveis efeitos colaterais, como é que o falar lindo (das mineiras) ficou de fora?

Mineira deveria nascer com tarja preta avisando:ouvi-la faz mal à saúde. Se uma mineira, falando mansinho, me pedir para assinar um contrato doando tudo que
 tenho, sou capaz de perguntar: só isso?Assino achando que ela me faz um favor.

Eu sou suspeitíssimo. Confesso: esse sotaque me desarma. Os mineiros têm um ódio mortal das palavras completas.

Preferem abandoná-las no meio do caminho, não dizem:pode parar, dizem: 'pó parar'.

Não dizem: onde eu estou?, dizem: 'ôncôtô'.Os não-mineiros, ignorantes nas coisas de Minas, supõem, precipitada e levianamente, que os mineiros vivem lingüisticamente falando, apenas de uais, trens e sôs.

Digo-lhes que não(...)Mineiras não usam o famosíssimo 'tudo bem'.Sempre que duas mineiras se encontram, uma delas há de perguntar pra outra:- 'Cê tá boa?'.Para mim, isso é pleonasmo.Perguntar para uma mineira se ela tá boa é desnecessário.

Há outras. (...)- 'Aqui', não vou dar conta de chegar na hora, não.Esse 'aqui' é outro que só tem aqui(...)Que os mineiros não acabam as palavras, todo mundo sabe.

É um tal de 'bonitim', 'fechadim', e por aí vai.Já me acostumei a ouvir:- E aí, 'vão?'. Traduzo:- E aí, vamos?Não caia na besteira de esperar um 'vamos' completo de uma mineira.Não ouvirá nunca.

Eu preciso avisar à língua portuguesa que gosto muito dela, mas prefiro, com todo respeito, a mineira.Nada pessoal.Aqui certas regras não entram.São barradas pelas montanhas.Por exemplo, em Minas, se você quiser falar que precisa ir a um lugar, vai dizer:- Eu preciso 'de' ir.Onde os mineiros arrumaram esse 'de', aí no meio, é uma boa pergunta.Só não me perguntem. Mas que ele existe, existe(...)

Aqui em Minas ninguém precisa ir a lugar nenhum. Entendam...Você não precisa ir, você precisa 'de' ir. Você não precisa viajar, você precisa 'de' viajar. Se você chamar sua filha para acompanhá-la ao supermercado, ela reclamará:- Ah, mãe, eu preciso 'de' ir? No supermercado, o mineiro não faz muitas compras, ele compra um 'tanto de coisa'.O supermercado não estará lotado, ele terá um 'tanto de gente'(...)Entendeu?

Se, saindo do supermercado, a mineirinha vir um mendigo e ficar com pena, suspirará:- 'Ai, gente, que dó'.

É provável que a essa altura o leitor já esteja apaixonado pelas mineiras(...)Para uma mineira falar que algo é muitíssimo bom vai dizer:- 'Ô, é sem noção'.Entendeu?É 'sem noção!' Só não esqueça, por favor, o 'Ô' no começo, porque sem ele não dá para dar noção do tanto que algo é sem noção,entendeu?Capaz...Se você propõe algo ela diz:- 'Capaz'!!!Vocês já ouviram esse 'capaz'?É lindo(...)Já ouviu o 'nem...?' Completo ele fica:- Ah, 'nem' (...)

A propósito, um mineiro não pergunta:- Você não vai?A pergunta, mineiramente falando, seria:- 'Cê' não anima 'de' ir?Tão simples.O resto do Brasil complica tudo.

É, ué, cês dão umas volta pra falar os trem(...)O plural, então, é um problema.Um lindo problema, mas um problema.Sou, não nego, suspeito.

Minha inclinação é para perdoar, com louvor, os deslizes vocabulares das mineiras.Aliás, deslizes nada.Só porque aqui a língua é outra, não quer dizer que a oficial esteja com a razão.Se você, em conversa, falar:- Ah, fui lá comprar umas coisas...- 'Que' s coisa?' - ela retrucará.O plural dá um pulo(...) E se você acusar injustamente uma mineira, ela, honrosa,confidenciará:- Ele pôs a culpa 'ni mim'.

A conjugação dos verbos tem lá seus mistérios, em Minas.Ontem, uma senhora docemente me consolou:'preocupa não, bobo!'.E meus ouvidos, já acostumados às ingênuas conjugações mineiras, nem se espantam.Talvez se espantassem se ouvissem um: 'não se preocupe', ou algo assim.

A fórmula mineira é sintética.E diz tudo.Até o tchau, em Minas, é personalizado.Ninguém diz tchau pura e simplesmente.Aqui se diz: 'tchau pro cê', 'tchau pro cês'.É útil deixar claro o destinatário do tchau.Então neh, as mineiras são trem bão demais sô....


*O Sotaque das Mineiras. Texto de autoria de Felipe Peixoto Braga Netto. Crônica extraída do livro "As coisas simpáticas da vida", Landy Editora, São Paulo (SP) - 2005, pág. 82.)

Ilustração nossa. Modelo: Lee Camargo - Paraopeba/MG - Fotografia de Carol Bertolino

16 comentários:

  1. Lingua Mineira eh exclusivs de nostras terras!
    Tudi boni!!!

    ResponderExcluir
  2. Lingua Mineira eh exclusivs de nostras terras!
    Tudi boni!!!

    ResponderExcluir
  3. texto de autoria de Felipe Peixoto Braga Netto? Desde quando? É um plagio do poema de Carlos Drummond de Andrade que você pode encontrar aqui https://saojoaodelreitransparente.com.br/works/view/35.Vamos dar os créditos a quem de direito. Honestamente, não é senhores?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhor Flavio Dutra, está acusando quem de não ser honesto? Nós? Meça suas palavras por favor. No fim do texto tem o linke onde foi extraído o texto que é *O Sotaque das Mineiras. Texto de autoria de Felipe Peixoto Braga Netto. Crônica extraída do livro "As coisas simpáticas da vida", Landy Editora, São Paulo (SP) - 2005, pág. 82.) Entre em contato com a editora e faça reclamação a eles.Esse artigo está publicado em livro. Além de ser bastante difundido na internet e reproduzimos com a fonte do livro do autor. Não é me mandando um link de um site qualquer que eu vou alterar a autoria de algo. Entre em contato com o autor e com a editora em questão, que está citado na matéria. O livro foi publicado em 2005. Por gentileza, mande essa sua mensagem para a editora e o autor. Se pesquisar no google, encontrará esse texto em vários sites, uns citam Carlos Drumond, outros citam Felipe Braga Netto. Como falei, a crônica foi extraída de um livro, já te informado. Te peço também, que me faça a gentileza de não aparece mais por aqui. Sua mensagem foi inadequada e ofensiva. Quem tem que reclamar algo é a familia do autor, como diz, do Carlos Drumond ou os interessados direto com o autor. Como Felipe Braga Netto é conhecido, poderá encontrá-lo com facilidade. No uol https://pensador.uol.com.br/autor/felipe_peixoto_braga_netto/ tem a presença dele. Aqui também:http://www.recantodasletras.com.br/homenagens/1958630 e outros vários links pode encontrar esse texto. Encerrando, gostaria que não nos incomodasse mais. Sou jornalista, profissional sério e me baseio em fontes, livros, não em sites ou algo similar. Respeito a todos e peço respeito. Mais uma vez, somos honestos, tanto somos que estamos te respondendo e na postagem, tem a fonte do livro e editora publicado, conforme você pode verificar em várias outras publicações com o mesmo texto.

      Excluir
    2. O livro de Felipe Braga Netto, da qual foi extraído o texto, senhor Flavio Dutra está a venda nesse site http://www.buscape.com.br/as-coisas-simpaticas-da-vida-braga-netto-felipe-peixoto-braga-8576290952 Nesse site também tem o mesmo a venda: https://www.estantevirtual.com.br/b/felipe-peixoto-braga-netto/as-coisas-simpaticas-da-vida/55375190 e nesse também http://www.travessa.com.br/as-coisas-simpaticas-da-vida/artigo/7036f251-2a28-4b56-b6ee-abc0178ad73d

      Excluir
    3. Basta o senhor pesquisar na internet, no google, sobre essa autor, sobre esse texto e se inteirar. E por esses sites de vendas citados,pode entrar em contato com o autor e editora e fazer suas reclamações. Sou escritor, tenho vários livros publicados, adoro Carlos Drumond, tenho vários livros do poeta, artigos e crônicas dele publicados em jornais e sinceramente, em nenhum dos materiais que tenho do Drumond tem essa crônica O sotaque das Mineiras. Creio que eu tenha esclarecido o suficiente e reitero mais uma vez o pedido que não nos importune, me senti mal com esse comentário seu, totalmente indelicado. Me acusa, me manda um site sem referência alguma e respondi com referência, com livros, com informações concretas. Agora, pesquise, se informe e mais uma vez, por gentileza, não nos incomode mais.

      Excluir
    4. Cumpadin perdeu a portunidade de ficar quetin e caladin.

      Excluir
  4. Isto está errado "Cê não anima de ir". O correto é: "cê num anima de ir"

    ResponderExcluir
  5. Amei.... Porque cansei de ouvir: -Você é dá roça? Ou então:- você tem um sotaque engraçado.
    Engraçado é a ignorância de quem acha que só o português dele é o correto, num país como o Brasil com tantas culturas e misturas. Pra mim é o que torna o Brasil único e lindo.
    "Ôh bobo, cêis num sabe o tanto que o trem aqui é bão."

    ResponderExcluir
  6. Amei a postura do Arnaldo Silva. O site de vocês é show. Isso se chama inveja e zoião grande e gordo. Liga não meu caro.Ele não tem um site como esse não. Pode ter certeza disso. kkkk...... Parabéns.Meu Blog esta fechado. OK... AngelaVipBrasilWorld

    ResponderExcluir
  7. A publicação é de Felipe Peixoto e não de Drummond. Circula na internet que tudo aceita o mesmo testo "assinado" por Drumond como outro com o titulo de Ser Mineiro, este do poeta de Patrocínio Batista de Queiroz. Os dois textos são muito bons, mineiramente gostosos de ler. Mas os estilos NADA a ver com Drummond. Sua "assinatura" como de outros, incluindo Shakespeare, circulam na internet contando com a ignorância de se identificar estilo de autores desse quilate.

    ResponderExcluir
  8. A publicação é de Felipe Peixoto e não de Drummond. Circula na internet que tudo aceita o mesmo testo "assinado" por Drumond como outro com o titulo de Ser Mineiro, este do poeta de Patrocínio Batista de Queiroz. Os dois textos são muito bons, mineiramente gostosos de ler. Mas os estilos NADA a ver com Drummond. Sua "assinatura" como de outros, incluindo Shakespeare, circulam na internet contando com a ignorância de se identificar estilo de autores desse quilate.

    ResponderExcluir
  9. Levei a publicação a peito e quase me debulhei em lágrimas. Afinal nem é sempre que a gente escuta (lê) falarem tão bem do nosso sotaque <3 acho q o mineirês é a coisa mais linda que há nesse mundo (mas sou suspeita pq né)
    E admito, eu nem tinha reparado que a gente usa o 'de'ir kkkkkk pra mim é tão natural q eu nem nunca estranhei

    ResponderExcluir
  10. Tao acostumada com minha tão mineira língua portuguesa, só realmente estranho (e por consequência acho lindo) meu jeito de falar quando viajo para terras paulistanas, cariocas ou gaúchas (onde moram minhas amigas). Mineires é isso. Simplesmente espetacular

    ResponderExcluir
  11. Quando procura pelo pai : cadê o pain de Alice?? Ou cadê a mainha de Alice??

    ResponderExcluir