Minas, o mar e o bar


Já dizia o ditado que Minas não tem mar, mas tem bar. E como tem sô! E, é claro, o tipo mais comum é o boteco.

Por causa dessa enorme quantidade, há anos, ocorre em Belo Horizonte o festival "Comida di Buteco". Isso mesmo, a grafia está correta porque em Minasss - o "s" deve ser bem pronunciado - em alguns casos, a letra "e" é substituída pelo "i", assim como o "o" é trocado
 pelo "u".

Esse é um dos maiores eventos gastronômicos de "Belorizonte" - dá muito trabalho falar as duas palavras, então, resolvi contrariar as regras da nossa língua e escrevê-las emendadas mesmo, como boa mineira.

Nesse festival, os botecos disputam quatro troféus nas categorias melhor comida de boteco, melhor atendimento, cerveja mais gelada e melhor higiene. Em cada dia do evento, os bares receberam atrações culturais.

Nesse ano, concorreram, ao todo, 31 botecos da capital mineira. O grande vencedor foi o Bar do Zezé que concorreu com o aperitivo carne com giló e angu e foi vencedor também na categoria "Melhor Atendimento".

Quem gosta de um bom aperitivo, cerveja gelada, uma cachacinha e é claro, o bom papo do mineiro - que tem sempre um causo para contar - não pode deixar de visitar os botecos de Minas.


Escrito por Denise Aleluia
Fonte:http://historiasdaesquina.zip.net/

Nenhum comentário:

Postar um comentário