A Rota do Queijo : Belezas naturais, diversão e barriga cheia


“Corta esse queijo reto, Menina!”, gritava vovô Murillo toda vez que me via subir na cadeira para cortar uma fatia de queijo meia-cura e caprichar no meu “Romeu e Julieta”. Subia na cadeira porque, por razões que a própria razão desconhece, o queijo na casa de minha vó era guardado em cima da geladeira. As vezes penso que era uma tentativa de fazê-lo durar mais. Sabe como é! Em casa de mineiro, sempre tem café fresco e, se o queijo estiver do lado, batata! Ninguém almoça, passa a café e queijo.

Queijo. Até a grafia tem gosto bom. Aqui em casa é um tipo de religião, tem rito, celebração. Vou investigar, mas desconfio que meu pai já deva ter escrito uma poesia para ele. Meu pai escreve poesia para tudo, acho que aprendeu a escrever antes de comer.
Então, para unir o útil ao extremamente agradável, vou propor um roteiro de viagem: “A Rota do Queijo”. Pagará língua quem acha que nosso estado produz apenas o fantástico, absoluto, o incomparável Queijo da Canastra. O mineiro se qualificou e hoje já produz queijos azuis (gorgonzola, roquefort, chamois bleu, crem’azur), de casca branca (camembert, brie, Chamois d’Or), os tipo suíços (gruyère), suaves (gouda, saint paulin, lou lou) e os queijos de sabor forte (port salute, parmesão e chavroux).
Começando por Uberlândia a viagem tem início no “Empório Caipira”. Reserve uma tarde e passe o dia por lá. Procure o Diego e divirta-se com as excelentes oportunidades que ele te oferecerá. O Empório me conquistou ao oferecer uma variação econômica do Queijo Serra da Estrela. Não é igual, mas é muito bom!
Saindo do empório, suba a Avenida João Naves de Ávila e pegue a estrada para Patrocínio. Siga pela BR-365 até o trevo para Serra do Salitre. Chegando lá procure pelo queijo do Sr. Vanderlino dos Reis Moreira e da Dona Dina, pequenos produtores do município de Serra do Salitre. Eles produzem o queijo fresco mineiro e o curado.
Siga pela BR-146 rumo ao Parque Nacional da Serra da Canastra. Aproveite para curtir a natureza e conheça as cachoeiras do local. Depois, com as energias renovadas, é hora de experimentar os incomparáveis queijos que levam o nome da serra.
No município de São Roque é obrigatória a parada no Sítio do Zé Mário e na Fazenda Agro-serra. Fiquem espertos quanto ao clima. Se estiver chovendo é importante ir em um carro traçado. Caso tenha tempo, faça um tour para conhecer outros produtores. Conhecendo, compartilhem conosco, seria muito bacana colocar as fotos de vocês no blog.
Seguindo viagem a rota do queijo nos leva à São João Del Rei. Nesse parte, a rota se confunde com a antiga “estrada real portuguesa”. São aproximadamente 40 laticínios. A produção queijeira no município teve início no século 18. Em 1931 já era grande exportadora da iguaria e o município foi apelidado de São João del Rei dos Queijos.
É possível encontrar no distrito de São Sebastião da Vitória os queijos tipo prato bola, gouda, estepe e provolone. Em São Vicente de Minas, você encontrará no comércio da cidade os queijos camembleu, brie e emental.

Fonte:http://www.correiodeuberlandia.com.br/blogs/cozinhas-gerais/rota-do-queijo-belezas-naturais-diversao-e-barriga-cheia/

Um comentário:

kharhan disse...

Muito bommmm...!!

Postar um comentário